Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A vida de Mala Aviada

A vida de Mala Aviada

The Thing.

Ninguem faz a minima ideia do quanto quero ser feliz contigo Rita. Nao que o nao seja ja, claro que sim, mas falta nos o toque da campainha. Rita, isto so significa que quero muito ir viver contigo, move in with you (like folks say), Rita. Parece um balao vermelho que comeca a encher, a querer tomar uma forma genial e se prende a minha mao com uma forca tremenda. Sensacoes que nao sei explicar convenientemente. 

A minha mente anda aos pulinhos so de pensar que posso cozinhar todos os dias para ti e quando nao quiser, bem, existes tu para cozer esparguete e juntar atum, Rita. Vamos sair da faculdade - talvez nao de maos dadas porque sei que tu nao ... aprecias como eu - mas com o sorriso na cara daquele tipo de pessoas que tem tudo na vida em sintonia. Depois, consigo imaginar , Rita, os nossos casacos espessos e bonitos de Inverno, as nossas botas com restos da cidade na sola que fica a porta da casa: aquela casa que no quarto tem duas portas e deixa ver a cidade a querer adormecer sob espessas nuvens de algodao amarfalhado. Depois vamos sentar no sofa que tera uma manta simples, macia e branca a tapa-lo, encostamo nos uma a outra tirando o resto do jornal nao lido e os termos do Starbucks das malas ou mochilas. Consigo imaginar-nos a ficar fins-de-semana preguicosamente na cama com cafe e pao de sementes e vontade de simplesmente nos encostarmos uma a outra. Vamos contar estrelas na nossa varanda, aprender - de novo, mas desta vez bem - a fazer pasta com a maquina. Vamos deixar de dizer * onde esta o teu guarda chuva * ou * as minhas chaves*. Vai deixar de existir isso em nossa casa, porque o que sera meu, sera teu e vice-versa. Vamos dar cabo dos determinantes possessivos - nunca lhe achei muita piada porque sou das pessoas que tem uma opiniao muita clara acerca dos objectos: eles possuem vida. Ponto.

Vamos andar com as nossas mochilas de backpacker sempre semi cheias e sempre prontas para viajar - gostava de ir a Dublin este Outono. E em Outubro, levas me a jantar para a relva de um jardim e vamos ver o fabuloso concerto da Diana Krall. Dessa nao te escapas. 

 

Sei que havera momentos em que vou querer enfiar me no armario e nao falar contigo mas tenho a certeza que sabemos que os relacionamentos so resultam se estivermos prontas to take the crap from each other. That is the thing. 

 

E para quem ainda nao percebeu, a minha falta de acentuacao deve-se ao facto do teclado do pc fixo estar coo-coo.