Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A vida de Mala Aviada

A vida de Mala Aviada

WE NO SPEAK AMERICANO

Comme te po`
Comme te po`

Comme te po` capì chi te vò bene
Si tu le parle ‘mmiezzo Americano?
Quando se fa lammor sotto `a luna
Come te vene `capa e di: “ I love you !? “

fa fa l’americano !
fa fa l’americano !
fa fa l’americano !
fa l’americano !
fa fa l’americano !
fa fa l’americano !

…whïsky soda e rock’en’roll

 

É por isto que gosto do Verão; porque nos faz imaginar coisas completamente indecentes e surreais...

Florence + the machine

Sometimes I feel like throwing my hands up in the air
I know I can count on you
Sometimes I feel like saying "Lord I just don't care"
But you've got the love I need To see me through

Sometimes it seems that the going is just too rough
And things go wrong no matter what I do
Now and then it seems that life is just too much
But you've got the love I need to see me through

When food is gone you are my daily meal
When friends are gone I know my savior's love is real
Your love is real

You got the love
You got the love
You got the love
You got the love
You got the love
You got the love

Time after time I think "Oh Lord what's the use?"
Time after time I think it's just no good
Sooner or later in life, the things you love you loose
But you got the love I need to see me through

You got the love
You got the love
You got the love
You got the love
You got the love
You got the love

Sometimes I feel like throwing my hands up in the air
I know I can count on you
Sometimes I feel like saying "Lord I just don't care"
But you've got the love I need to see me through

You got the love
You got the love
You got the love
You got the love
You got the love
You got the love

 

Esta é para ti, Rita. Continuo a amar-te in my own way, nunca o deixarei de fazer - só já não é o suficiente para to dar e fazer-te feliz. Love you babe. Always.

Back to the way they (I) were (Was) #2

Este Verão operou alguma coisa aqui dentro. Alguma coisa grande, tão grande que comecei a repensar em mim mesma como namorada, filha, amiga e estudante. Enquanto pessoa de 20.

Apetece-me morrer por to ter feito; ter-te deixado assim plantada do nada porque sim, porque preciso - digo eu - do meu espaço e de me ouvir a pensar sozinha. Mas o facto é: nunca vou estar sozinha. Se não te tenho a ti há-de surgir mais alguém para preencher os meus vazios emocionais. Torne-se menos sério, mais sério ou nem de todo... Há-de haver sempre alguém. Hás-de ser tu por um lado, ela por outro e mais alguém a puxar-me ainda por outro. Não me consigo desfazer das pessoas. Parece bom mas não é. Dou-lhes a esperança e o alento para gostarem de mim, para me quererem nas suas vidas e depois ... são como máquinas descartáveis. Não há paciência para tanta brutalidade e banalidade. Apetece-me bater-me com alguma força e enrolar-me na cama durante horas e deixar de pensar. A crise dos vinte chegou. A vontade de viver é mais que muita mas não tenho a certeza de como fazê-lo ou com quem: ficar fora a dançar até as 4 a.m. e só voltar para casa duas horas mais tarde? Apanhar um comboio para o primeiro destino que aparecer? All sounds new and exciting. Tu queres comprar uma mota e eu quero tatuar-me. Percebes? Tu vais mudar e eu vou mudar. Já não conseguia viver contigo assim, daquela forma. E agora dizes-me que vais mudar também. Mas eu já era outra, só havia sido castrada - havia cedido - para melhor chegar a ti, melhor conviver contigo e o resultado... Está à vista. Agora, por muito que pense que tu queiras agarrar-te a uma restia de esperança - de resto, como eu - de que nos havemos de encontrar no ponto do bem bom outra vez, penso que as mudanças que queres na tua vida e as que eu quero se vão desencontrar. Tu foste aquilo que precisei durante estes dois anos e meio mas deixastes de o ser. Põe-se a questão se esta mudança nos leva avante ou pelo contrário torna este tempo uma preciosidade a guardar dentro de nós para recordar para sempre. Só queria pedir desculpa. Mas preciso que as paixões me levem a novos portos, que os meus olhos mudem de cor e que ... a vida aconteça, percebes?