Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A vida de Mala Aviada

A vida de Mala Aviada

Amor vincit omnia

Não é que às vezes seja muito fácil. Às vezes até é mais difícil do que o que julgamos. Mas nunca é tão mau que possamos desistir. 

Como alguém me disse, uma vez e não há muitos anos atrás: o amor não é algo físico, não é algo que se meça. É uma construção feita de devoção. Devoção pela pessoa que está ao nosso lado, lealdade, compreensão, infinita paciência e um gosto especial pela companhia dessa pessoa. 

Com o passar do tempo, aprendemos que a paixão desaparece (e às vezes reaparece) e que resta aprendermos a fazer uma construção com o amor, com aquilo que melhor achamos. Às vezes colocam-se 6 peças de uma vez e depois tiram-se 3 e assim aos poucos. São de facto mais as vezes que se colocam peças do que as que se tiram, mas deixa-nos sempre de pé atrás quando se tira. E o que fazemos? Olhamos de frente de novo e pensamos em tudo o que se já construiu. Não desistir é a chave do sucesso num bom relacionamento, é combater os nossos próprios preconceitos e dizer o que sentimos quando estamos mal. Sei que não é fácil - não é porque se tem um medo terrível da dor infligida à outra pessoa - todavia é o que nos faz crescer e é o que nos dá peças para acrescentar. E nós queremos é peças para acrescentar.

 

Adoro ser devota à minha pessoa, e sei que ela me é devota a mim, sua pessoa. Uns dias com mais paciência que outros porque entertanto a vida mete-se no meio mas conseguimos ser felizes um bocadinho todos os dias mesmo quando o dia foi uma desgraça. E isso, no final de contas, é o que mais importa.

 

amor vincit omnia

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.